Retrospectiva 2017

pronto para a lola retrospectiva 2017?

seja feliz, vá para a ilha do mel

2017 começou na ilha.

em uma noite extremamente quente, o mar balançava, o céu estava claro e as pessoas celebravam entre garrafas e fogueiras espalhadas pela praia do farol.

ano novo na ilha do mel é a melhor coisa que você pode imaginar para si mesmo (fica a dica)

Peripécias na ilha

depois veio a despedida.

1 mês depois daquela virada nasceu um relacionamento a distância que durou 6 meses, até eu embarcar para a Polônia.

mas não vou me precipitar com as histórias. nesse meio tempo muita coisa aconteceu!

passei por um período nebulosíssimo. como nunca antes visto. 

eu me considero uma pessoa de sorte. as coisas sempre deram muito certo pra mim durante a vida, não tenho o que reclamar,

mas pela primeira vez na vida, parece que tudo começou a desmoronar.

o primeiro desastre foi chegar na prova do IELTS e ser recebida com um

“sorry, você está atrasada”

a próxima cena sou eu largada na sarjeta chorando em frente ao prédio da cultura inglesa e meus 800 reais no lixo.

os próximos fatos se resumem a carro estragado, assalto e roubo da lente da minha câmera enquanto eu fazia um ensaio no meio do mato.

também tive problemas em casa e recebi uma rejeição escrota de uma universidade que eu tinha aplicado com muita confiança.

coisas menores aconteceram, até eu receber ajuda espiritual e me limpar por completo.

Por do Sol no SkyBar

hoje eu vejo que aquele período foi necessário para eu aprender a respeitar o fluxo de energias que há entre nós.

hoje eu sei que é preciso sim selecionar as pessoas com quem você anda, os ambientes que você frequenta e, principalmente, seus próprios pensamentos.

hoje quando estou na beira de uma bad, faço um grande esforço mental para pensar positivo e expulsar a negatividade. e como isso tem me ajudado!

mas nem tudo são bads, vamos a parte boa de 2017!

após anos massivos de puro sofrimento e desilusões, me formei em engenharia de bioprocessos e biotecnologia.

logo após eu ter perdido a prova do IELTS, eu agendei uma nova prova, paguei mais 800 reais e deu boa.

(essa prova é pré requisito para estudar fora, meu principal objetivo até então)

já tinha desconsiderado ir pra dinamarca e pra holanda. só restava budapest me abrir uma porta.

e obviamente budapest não me deixou na mão.

Cidade nebulosa, enigmática e única – Budapest

na minha última semana de estágio na Novozymes, eu recebi uma carta de boas vindas de uma universidade húngara.

em primeiro momento eu não sabia se aceitava ou rejeitava, pois a universidade não é tão boa, a bolsa de estudos é bem pobre e o mestrado não é bem o que eu quero para o meu futuro.

Szent Istvan University campus

mas é budapest, a cidade que mais me fez feliz nessa vida.

mesmo que fosse para passar fome, eu passaria fome na europa, não no brasil.

amém. eu aceitei a bolsa e de lá pra cá foram 2 meses de despedidas e guloseimas brasileiras.

foi muito difícil pra mim deixar minha mãe. somos melhores amigas desde sempre.

e a família, os amigos, os gatos, o mamão toda manhã.

ah, o mamão.

chorei a viagem toda até o desembarque.

eu cheguei em budapest sem nada.

e desde então me sinto muito renovada.

viva o desapego e as novas oportunidades!

e o estar no lugar certo, na hora certa.

conheci pessoas incríveis no dormitório.

africanos e árabes que quebraram minha completa ignorância a respeito desses países.

Meu mini quarto no dormitório da universidade

no meu segundo dia em budapest fiz uma entrevista e consegui um freela como blogger, na segunda semana fui promovida.

se eu tô me sentindo blue, eu saio caminhar sem rumo.

atravesso pontes, acompanho o danúbio.

sem nem cogitar me sentir insegura.

aquela ambição por um trabalho cool na área que eu queria, em um ambiente empreendedor/inovador, me manteve a procura de algo a mais.

em janeiro eu começo a trabalhar em uma start-up finlandesa, em um escritório onde cachorros e humanos dividem o mesmo espaço.

enfim, o ano tá acabando com chave de ouro e aos cuidados poloneses – muita comida e amor.

Gatinho fofo que mora em um café em Szentendre

espero que 2018 seja tão bom quanto 2017!

um brinde a nós.

 

15 Tradições natalinas da Polônia

Hoje é dia 24 de dezembro de 2017 e eu estou impressionada com a quantidade de tradições natalinas na Polônia.

Longe do Brasil, este é meu primeiro natal aqui e vou experienciar um pouquinho de tudo!

Sentei na poltrona do papai noel polaco

1) Os preparativos começam 1 semana antes. O primeiro passo é aquele faxinão na casa!

2) A tradição é servir 12 pratos na ceia de natal, representando os 12 apóstolos de Jesus Cristo. Então pense, não se faz 12 pratos em um dia, mas em vários dias trabalhando forte na cozinha.

3) Na Polônia, são 3 dias de feriado: 24, 25 e 26. Esse é o feriado preferido da sociedade polaca.

4) O dia 24 é um dia de ‘respeito’, então não se come carne, nem bebe-se álcool.

5) No dia 24, as famílias mais conservadores fazem jejum até o final do dia.

6) O primeiro prato é servido quando a primeira estrela é vista no céu! No inverno europeu, já é noite as 4pm, então é nessa hora que o jantar é iniciado. (Com o clima nebuloso e chuvoso da Polônia, me apavora a ideia de esperar uma estrela no céu até poder comer alguma coisa).

7) Raminhos de palha são colocados embaixo da toalha de mesa, para lembrar as pessoas que o menino Jesus nasceu na manjedoura.

feno da majedoura de jesus
Raminhos de palha (feno) são adicionados embaixo da toalha na ceia de natal, representando a manjedoura do menino Jesus!

8) Um prato vazio é adicionado a mesa, caso um visitante inesperado bata a porta pedindo abrigo na noite de natal. Em algumas casas esse prato representa antepassados que já partiram (creepy?)

Prato vazio na mesa caso alguém bata a sua porta na ceia de natal na Polônia.

9) Tomar óstia, ou dividir o opłatek, é uma tradição forte na ceia. Cada membro pega um pedaçinho de óstia. Se há animais na casa, eles também recebem um pedacito!

Opłatek é um pedaço de óstia dividido na ceia de natal polonesa

10) Um dos pratos mais importantes da ceia é a sopa de beterrada (barszcz) ou sopa de cogumelo, se você não curte a primeira. Essa sopa é símbolo do natal, de acordo com a Senhora Kolaczkowski. São adicionados pedacinhos de massa remanescentes do pierogi!

Sopa de beterraba e sopa de cogumelos – tradição de natal na Polônia.

11) Carpa é o prato principal depois da sopa. Como não se come carne vermelha, o peixe acaba sendo a alternativa para a ceia. No passado as carpas eram compradas vivas e mantidas nas banheiras das casas, até o dia da ceia. Hoje são compradas prontas no supermercado.

12) Bigos é um prato feito de repolho fermentado e bacon. é servido no dia 25 e 26, já que tem carne. Mas esse prato é feito 1 semana antes! Pois a cada dia que passa o sabor é maturado 🙂

Bigos: prato tradicional polonês (Chucrute e bacon)

13) O prato doce essencial na mesa é feito de sementes de papoula. Uma paixão nacional – MAK!

Cheesecake de semente de papoula

14) Depois do jantar, a meia noite, os polacos vão para a igreja assistir a missa do galo à meia noite (Pasterka em polaco)

15) Algumas pessoas dizem que à meia noite os animais falam.

Essas são as tradições mais comuns que encontrei por aqui. Deve haver muito mais!

Um feliz natal a todos! <3

Trem para Varsóvia

Tudo o que você precisa saber sobre Varsóvia: é frio, neva, tem neblina e as 3 da tarde já é noite.

Talvez isso soou extremo, mas na verdade escolhemos um dia nebuloso, chuvoso, frio e com neve para pegar um trem e explorar a cidade. Devo acrescentar que não foi a melhor escolha, mas se você pretende conhecer a Europa no inverno, não há muita escolha.

Estação de trem em Koluszki, rumo a Varsóvia
brasileira na neve
Cara de neve na cara

Gente, essa neve é linda, super fotogênica, mas ela te derruba no chão, molha sua roupa e congela suas células.

Vista do trem a caminho da capital polaca, Varsóvia

Viajar de trem é uma delícia, por sinal. Super rápido  (180km/h) e aconchegante.

Típica cena de filme: assistir a neve na janela com sua xícara de café esquentando as mãos.

Aliás, seria tão lindo viajar de trem pelo Brasil. Sério, com as belezas tropicais que só nós temos, seria realmente sensacional observar tudo da janela do trem bebendo uma água de côco. Quem sabe no futuro?

Chegando em Varsóvia o primeiro destino foi, obviamente, uma kebaberia 🙂

Kebab da Polônia é o melhor que já comi na vida!

Kebab é uma cultura trazida pelos turcos e árabes imigrantes na Europa. Paixão propagada por todo o continente, atualmente é possível encontrar kebabs em qualquer cidade europeia, não importa onde você esteja, bateu a fome, procure um kebab.

E o kebab da Polônia é o melhooooor. A tortilla é aquecida na chapa, a carne vem com muuuitos tempeirinhos e tudo é feito com muito amor.

Em Budapest, minha impressão é que os turcos só jogam tudo dentro do pão e te entregam  (não deixa de ser gostoso ainda assim).

Cada país acaba delineando o seu kebab de acordo com a cultura local .. e isso é uma boa pauta de estudo para sair viajando e descobrindo kebabs pela europa (fica a dica)

Próximo destino: Palace of Culture and Science (Pałac Kultury i Nauki)

Palace of Culture and Science (Pałac Kultury i Nauki)

Este monumento massivo é símbolo do império soviético na Polônia.

A “gift of the Soviet people to the Polish nation”

Quando eu penso em arquitetura russia, o que vem a minha cabeça são obras gigantes, massivas e acinzentadas.

Esse palácio é bem isso. Tem piscina, 3000 escritórios, cinema, restaurantes, cafés …. A melhor parte é o terraço no último andar, com uma vista sensacional 360 para Varsóvia. Nós obviamente não subimos pois veja bem, a neblina já tinha coberto o topo do edifício 🙁

Varsóvia às 3pm: adeus luz do dia

Nesse momento já estávamos nos dirigindo para o outro lado da cidade, cruzando o rio.

Sim, tem um rio dividindo a cidade e nem eu sabia disso. O Rio Vístula.

Visitamos uma área da cidade chamada distrito Praga e Soho, um espaço industrial com containeres e um movimento artístico rolando. Como era inverno e chovia, não vimos nada além de um museu MUITO LEGAL.

O museu do neon – um resgate a era do neon que rolou durante a guerra fria!

© 2014 Hecktic Travels | HeckticTravels.com

Esse museu tem uma vibe super Stranger Things.

Composto por várias sinalizações em neon, na época em que esse tipo de luz composta por gases foi descoberta e virou uma tendência no bloco soviético.

Muitos desses quadros foram desenhados pelos grandes artistas da época – que eram responsáveis pela famosa escola de cartazes polonesa.

Museu do Neon em Varsóvia

A única parte chata é que não pode tirar fotos com a câmera, só com celular 🙁


Enfim, Varsóvia no inverno é pesado.

Creio que no verão seja outra história, quem sabe na próxima estação eu volte pra Varsóvia e veja uma nova versão desta capital massiva e fria.

 

 

 

 

Uma tarde em Łódź

Terceira maior cidade da Polônia, Łódź fica bem no centro do país e apresenta  traços industriais e artísticos bem admiráveis 🙂

A grande história por trás dessa cidade tem a ver com o pólo industrial têxtil durante o período comunista.

Tram no centro de Lodz. Amo trams.

Łódź era o centro de produção de tecidos que abastecia o Império Soviético.

Isso foi com certeza uma das grandes razões para o fluxo de pessoas para a cidade. Łódź abrigou pessoas de diversas nacionalidades, alemães, judeus, russos e os próprios polacos.

O período de prosperidade industrial entrou em colapso logo após a guerra, mas os edifícios com cara de fábrica continuam espalhados pela cidade.

Todos eles têm uma característica em comum: os tijolinhos a vista. Lembra um pouco a arquitetura inglesa, porém é bem mais industrial/rústico.

Tijolinhos e arquitetura industrial de Łódź

Um traço marcante da cidade é a presença forte de arte nas ruas.

Espacialmente no centro da cidade, você vai encontrar muitas cores estampadas nos paredões dos prédios.

E se você digitar Łódź no google ou Pinterest, virão muitas imagens de street art no resultado de suas pesquisas.

arte de rua em lodz arte de rua em lodz Street art em Lodz

Como toda cidade europeia em dezembro, há uma feirinha de natal rolando bem no centro da cidade.

No caso de Łódź,  na rua principal da cidade: Piotrkowska.

Piotrkowska street in lodz

Feirinha natalina

Mulled wine / quentão pra aquecer os seres congelados
pierogi comida tradicional polonesa
Pierogi <3 melhor prato polonês!
cheesecake na vitrine gulosa
Batelada de bigos, outra tradição de natal. Chucrute com carne e cogumelos, etc

Off Piotrkowska: O recanto hipster polaco

Centro cultural e criativo construído em um prédio renovado que no passado foi uma fábrica, é claro. O ambiente alternativo e a atmosfera indústrial torna o lugar mega hipster e contemporâneo. Cheio de galerias, artistas, cafés, bares e restaurantes legais sempre cheios de gente.

Off Piotrkowska

Łódź é uma cidade interessante, mas o que se escuta da população local é que os jovens estão escapando para cidades maiores e mais ricas, como Varsóvia e Cracóvia. O que é normal na maioria dos países.


Fique ligado nos próximos posts na Polônia!

Um jardim PINTEREST no interior da Polônia

Um jardim PINTEREST no interior da Polônia

Essa seleção de fotos transmite polski saudações diretamente para suas pastas do pinterest, aproveitem 🙂

Bem vindos ao vilarejo de Długie a poucos quilômetros de Koluszki, uma pequena cidade polonesa.

Essa foi minha primeira sessão de fotos encantadas pelo jardim da casa dos pais do Bartek 🙂

No outono tudo ainda é muito verde.

As árvores tem esse aspecto natalino, prontas para o natal o ano todo.

Interior da Polônia

Aqui eu acabo me portando como polaca, já que ninguém me reconhece como brasileira. Mas quando perguntam, sempre rola uma atmosfera de surpresa.

Esses tons vintage amarelados são minha especialidade né. Na verdade os ares aqui estão mais acinzentamos desde que cheguei. Frio, névoa  e céu cinza.

Campos e plantações como cenário
Deitar o corpo no chão é a melhor maneira de recompor suas energias e meditar

Essa quadra de tênis é super fotogênica, tô bolando uns ensaios por lá

Quadra de tênis na polonia
Quadra de tênis pós vento
Janela para a natureza

No inverno a paisagem fica opaca, carregada de neve, o que é fantástico também.

Mas as fotos do inverno na vila ficarão para o próximo post.

Aliás, escrevo este post a caminho da Polônia!

Se você ainda não sabe como eu cheguei aqui, leia este post!

A estrada pra Vila

A neve já chegou na Polônia

A estrada pra Vila

Desembarquei em Varsóvia, mas esse não era meu destino final.

Eu ainda tinha 1 hora e meia de estrada pela frente.

A vista do interior!

A estrada pra vila é nada menos que maravilhosa.

O céu estava cinza, mas a paisagem ainda era padrão cena de filme.

Interior, campos, Polônia

Saindo de Varsóvia seguimos rumo ao meio do nada.

Na real, em direção a uma vila no meio da Polônia.

A cidade mais próxima – Koluszki – tem uns 13k habitantes.

Já a casa dos Kołaczkowski é muito fofa. Impossível de chegar por meio de transporte público, mas sim percorrendo estradas bucólicas.

 

Interior da Polônia no outono. Arredores de Koluszki.
Localizada entre campos, plantações, horizontes infinitos.

Casas isoladas vistas ao longe como pontinhos além dos geradores eólicos e árvores.

Geradores eólicos no interior da Polônia

Detalhes importantes

Capelinhas. Nessas vilas, há pequenas construções na rua, que são chamadas Kapliczka, com uma cruz, algum santinho e flores. Achei isso muito peculiar. Já sabia do catolicismo forte dos polacos mas não sabia que era nesse nível.

Orquídeas na janela. Como as paredes das casas são muito grossas para isolamento térmico (frio), as janelas ganham um espaço extra para as plantinhas! Todas as janelas tem plantinhas, e no outono, são orquídeas – Título de livro 🙂

Orquídeas na Janela
Florzinhas na janela, sempre
Espadas de Ogum!

Jantar Polaco

Um digno jantar polaco dura muitas horas.

Os poloneses gostam de sentar e passar horas juntos e você nem sente o tempo passar.

Senta-se na mesa logo cedo, lá pelas 5:30pm no inverno, já que escurece antes das 4pm.

E aí vai … Muitos pratos e muitos shots de vodka (de preferência aquelas feitas em casa)

Prato 1, shot, garfada, shot, prato 2, shot, etc etc etc

De repente são 10pm!

Existe um termo chamado POPITA, para o copo de bebida que vem logo após o shot.

Eu diria que é um “diluidor” do álcool que você bebe logo depois do shot de vodka!

E isso é a grande explicação para a longa duração do jantar e a ressaca zerada no dia seguinte.

Entre um shot e outro, além da comida, bebe-se muito suco ou água ou, então o corpo está sempre hidratado e pronto para a próxima dose.

Eles são muito espertos, certo? Experientes.

A comida

Claro que os preparativos se iniciam dias antes…  é torta de maça, pierogi, carnes, kluski, etc etc etc ……. A culinária polonesa é sensacional! Já sou trifã 🙂 Ainda não tirei fotos, mas isso fica para o próximo capítulo!

No próximo post vou mostrar um pouquinho do jardim! Que é muito pinterest e claro que eu tirei dezenas de fotos bonitas!

Natureza europeia

Um jardim PINTEREST no interior da Polônia


polibeijos